0
abril 1, 2016 Posted by GTA in Notícias da Rede GTA

Comunitários do Bailique participam de Oficina de Boas Práticas de Extração de Óleo de Andiroba

O Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) em parceria com a Associação das Comunidades Tradicionais do Bailique (ACTB) promoveram, de 17 a 19 de março, a Oficina de Boas Práticas de Extração de Óleo de Andiroba na comunidade do Buritizal no Bailique em Macapá.

O evento contou com a parceria da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Natura, Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), Instituto Mamurauá e o APA da Fazendinha, além da participação como convidada a empresa 100% Amazônia.

Essas parcerias foram importantes para levar suas contribuições e conhecimentos em torno do tema gerador da oficina que teve a participação de 29 coletores e produtores de quatorze comunidades identificados pela ACTB e o grupo de trabalho do Protocolo Comunitário do Bailique.

Inicialmente, foi realizado uma roda de conversa entre as lideranças e o GTA para o repasse dos aprendizados adquiridos nos três dias de treinamento, que acorreu na Farmácia da Natureza do Sítio Terra de Ismael em Ribeirão Preto, São Paulo, com exposição dos produtos elaborados durante o treinamento de boas práticas para produção de remédios fitoterápicos.

Após a roda de conversa, o técnico da Natura, Carlos Eduardo, fez a demonstração prática da coleta das sementes e a importância de realizar corretamente o processo de secagem das castanhas para obter um óleo de boa qualidade. Essa palestra foi ideal para mostrar a relevância das boas práticas para garantir qualidade e volume na produção do óleo visando o setor industrial.

O momento também foi oportuno para expor as amostras de óleos extraídos por diferentes tipos de sementes produzido pela Natura, assim como o sabão base (noodle), para exemplificar a produção dos sabonetes.

Como atividade prática foi construído uma casinha de secagem para sementes e amêndoas, juntamente com todos os participantes na própria comunidade do Buritizal. De acordo com a coordenadora de campo, Jéssia Freitas “É importante ressaltar que foi abordado assuntos desde a coleta das sementes até a extração de óleos, através das prensas (quente e frio). Correlacionando sempre com a atividade de extração de óleo artesanal, valorizando os saberes tradicionais da Amazônia” destaca.

O segundo dia da Oficina foi comandado pela pesquisadora da EMBRAPA/AP, Ana Euler, evidenciando a formação de multiplicadores comunitários voltada as práticas tradicionais de extração de óleos. Entre os assuntos abordados estavam a ecologia, mapeamento da espécie e época de coleta; Boas práticas de coleta de sementes, além dos utensílios para o manuseio; Qualidade das sementes, extração do óleo e qualidade do óleo; Montagem do secador solar; Preparação de fitoterápicos e fito cosméticos, entre outros assuntos.

No último dia da Oficina, a pesquisadora, Terezinha de Jesus, apresentou a ciência e a tecnologia como instrumento de desenvolvimento local. Após isso, ministrou palestra com o tema: Aproveitamento Sustentável de Andiroba e outras Oleaginosas, realizando uma troca de experiência com as participantes de como é desenvolvido o trabalho da extração de óleo em outras comunidades do Amapá, além da melhor forma de aproveitamento e de conservação do óleo, para a sua durabilidade.

Foi feita a discussão em torno da realidade local para cultivo e uso correto das plantas medicinais e forma de manuseio, também houve a parte prática da oficina com a produção de pomada de óleo de Andiroba e sabonetes. Jéssica Freitas lembra que “A prática ajuda os comunitários a compreender todo o processo utilizando o óleo de Andiroba, que até então era desconhecido pelas mesmas” comenta.

0.0/60votes
Voting statistics:
RatePercentageVotes
60%0
50%0
40%0
30%0
20%0
10%0
Click to share thisClick to share this