0
maio 19, 2014 Posted by GTA in Notícias da Rede GTA, Notícias na mídia

OFICINA NACIONAL DE ANÁLISE E DIAGNÓSTICO TRANSFRONTEIRIÇO

A Agência Nacional de Águas (ANA) realizou durantes os últimos 14 e 15 de maio em Brasília, no Instituto Israel Pinheiro, a oficina nacional de trabalho para avaliar a importância e a dimensão das fontes, causas e efeitos dos principais problemas hídricos transfronteiriços da bacia Amazônica. Para o encontro também vieram representantes das instituições que integram o Projeto Gerenciamento Integrado e Sustentável dos Recursos Hídricos Transfronteiriços da Bacia do Rio Amazonas (GEF Amazonas), como a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Global Environment Facility (GEF), entre outras.

Bacia Amazônica

Bacia Amazônica

A oficina tinha como principal finalidade, coletar contribuições para elaboração do Diagnóstico Analítico Transfronteiriço (ADT) da bacia Amazônica, que é a maior do mundo em vazão – volume de água que passa num local por um determinado período. Visa buscar igualmente a geração de conhecimentos sobre os efeitos das mudanças climáticas dentro das comunidades amazônicas e os seus pontos em comum.

O processo de desenvolvimento do projeto estrutura-se em três importantes componentes: compreender a sociedade amazônica, entender a base dos recursos naturais e buscar estratégias para gerar integração e repasse de informações.

Segundo o Jorge Benites Agüero, Consultor Regional ADT e também do Plano de Ações Estratégicas (PAE) do projeto GEF Amazonas:

Jorge Benites Agüero - Consultor Regional ADT / PAE do Projeto GEF Amazonas OTCA / PNUMA.

Jorge Benites Agüero - Consultor Regional ADT / PAE do Projeto GEF Amazonas OTCA / PNUMA.

“(...) a integração dos países membros é de suma importância para administrar os recursos hídricos. Somente com esta integração os países conseguirão identificar os problemas comuns e elaborar ações também comuns para solucionar as dificuldades com os recursos hídricos”.

Como meta, o GEF Amazonas visa por uma primeira etapa técnica avaliar a vulnerabilidade de ecossistemas e populações humanas às mudanças climáticas, principalmente as que resultam em secas e enchentes. Além disso, a iniciativa tem o objetivo de melhorar o gerenciamento dos recursos hídricos e do solo da bacia, incorporando um planejamento para adaptação às mudanças climáticas. Outra linha de atuação do Projeto é produzir informações sobre os tipos e fontes de poluição da água na região, os meios para monitorar o problema e os mecanismos para combater as causas básicas da poluição.

A segunda fase do projeto será mais política, pois nessa etapa será implementado o PAE, tendo os países que entrarem em acordo que favoreça a conservação da bacia amazônica.

0.0/60votes
Voting statistics:
RatePercentageVotes
60%0
50%0
40%0
30%0
20%0
10%0
Click to share thisClick to share this