0
maio 16, 2012 Posted by GTA in Notícias da Rede GTA

Organizações da sociedade civil cobram maior divulgação dos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável na Rio+20

Representantes de movimentos sociais, empresários, movimento sindical, organizações não governamentais e de governo debateram a proposta apresentada dos diálogos sociais como preparação da Conferência

Em reunião realizada ontem (15) no Palácio do Itamaraty, representantes da sociedade civil organizada pediram que haja melhor comunicação e elucidação por parte do governo referente aos diálogos sociais que ocorrerão na Conferência Rio + 20, no mês de junho, no Rio de Janeiro.

De acordo com a Secretaria Geral da Presidência da República, a intenção foi escutar os segmentos para ver as sugestões e percepções a serem incorporadas. Apesar de acreditarem ser essa uma boa iniciativa, muitas entidades lembram que falta divulgação. “Senti falta de ser mais divulgado. Estamos avaliando também que há uma dificuldade de engajamento e compreensão da sociedade. Enfim, faltam detalhes a serem explicados mais publicamente” ressaltou o representante da Vitae Civilis, Eduardo Rombauer. Para o governo, a metodologia é um processo vivo, que está sendo adaptado, por isso não é divulgado como algo estanque. “Se estivéssemos publicado a metodologia há um mês, eles já seria antiquada. Já houve várias evoluções. O tema de florestas foi incluído, por exemplo. Sobre a divulgação, peço que vocês nos ajudem. Vamos divulgar isso da melhor maneira possível”, explicou o coordenador dos Diálogos, o ministro Júlio Bitelli.

Segundo ele, esta é uma atividade diferente das outras. “Busca-se estabelecer um possível precedente, que poderá ser aprimorado, um canal um pouco mais direto com os tomadores de decisões”, explicou. Ele apresentou a dinâmica do pré evento e do evento em si, no Rio de Janeiro, mostrando como serão as discussões na plataforma de discussões online, a escolha dos facilitadores e dos debatedores, e dos temas abordados. “A intenção é trazer uma pluralidades de perspectivas de diferentes setores do Brasil e do Mundo”, ressaltou.

Os presentes também questionaram se a agenda abordará temas de políticas públicas nacionais, ou se ficará apenas numa discussão generalizada de cada um dos 10 temas apresentados. Para os organizadores, como signatário das propostas, o Brasil terá que aplicar o que for decidido nos painéis intergovernamentais, e que haverá vários eventos dedicados à políticas nacionais durante a Rio + 20.

Metodologia

Pela dinâmica apresentada, as discussões temáticas já começaram no site www.riodialogues.org. Qualquer cidadão pode entrar na plataforma, participar da discussão interativa e fazer recomendações para promover o desenvolvimento sustentável. Depois haverá uma votação e as recomendações mais votadas serão a base das discussões dos Diálogos no Rio de Janeiro. O facilitadores – Universidades e institutos de pesquisas do Brasil e do mundo – farão a sistematização dessas recomendações.

Nos Diálogos, haverá 2 mil lugares para o público, sendo que deste, 750 estão reservados às indicações da Organização das Nações Unidas (ONU). Serão dez debatedores e o governo e a ONU não participarão da mesa de debates, apenas como plateia.

Dos debates serão retiradas 30 recomendações (3 de cada um dos 10 temas) e levadas aos chefes de estado. Os temas dos debates são: oceanos, segurança alimentar, desenvolvimento sustentável e erradicação da pobreza, desenvolvimento sustentável e as crises econômicas, energia, água, padrões de produção e consumo, cidades sustentáveis, emprego e florestas.

Nomes como Vandana Shiva e Boaventura de Sousa Santos já estão confirmados entre os debatedores.

Por: Assessoria de Comunicação da Rede GTA

Click to share thisClick to share this